Flagra de tentativa de assalto

O rapaz resolveu gravar uma volta de moto por São Paulo, só não esperava que fosse tão desagradável. Veja esta sequência impressionante de imagens.

Incrivel , quando esta palhaçada vai acabar? Isso me deixa tão revoltada…

Anúncios

O emocionante abraço de Kiki

Eu ainda não tinha feito nenhum post sobre a tragédia no Haiti, não porque esqueci ou não me importei, muito pelo contrário. Fiquei tão chocada com essa tragédia que não gostava de comentar sobre o assunto, sei que tenho que ser imparcial, mas tem coisas que nos deixam realmente tristes.

O terremoto que ocorreu na terça-feira do dia 12 de janeiro e atingiu o país mais pobre da América, teve 7,0 de magnitude na escala Richter. O país sofreu o maior terremoto já registrado em 200 anos e teve sua capital Porto Príncipe devastada. O que me deixa mais triste com tudo isso, é que o Haiti já era um país sofrido, teve um furacão em 2008 que deixou mais de 500 mortos, sofreu golpe de estado, são pessoas pobres e que necessitam da ajuda de outros países. Assim, no dia do terremoto, lá estavam os militares brasileiros em missão de paz, que perderam suas vidas ajudando aquele povo.

Mas hoje, esse post em especial é para falar de um garotinho, Kiki. Oito dias preso sob o peso de escombros, oito dias sem comida, sem água, sem luz, sem nada. Oito dias sem ver sua mãe, sua família. Os olhos fundos pela desidratação, mas com um brilho, o brilho da esperança. Crianças sempre guardam a tão esquecida esperança, a esperança que muitos os adultos não tem.

É uma foto simples, um pouco desfocada pela poeira dos escombros, o motivo central, braços abertos à busca de um abraço de volta à vida, todo um símbolo de alegria e esperança em meio de uma tragédia. De braços abertos para a vida e no aguardo do aconchego da mãe, Kiki voltou para emocionar todo mundo…

Uma imagem vale mais que mil palavras?

Confira também o vídeo do resgate emocionante de Kiki:

Americana de 136 kg mata namorado de 54 kg ao sentar em cima dele em briga

Casal morava junto em Cleveland, Ohio, e tinha três filhos.
Mia Landingham disse que não teve a intenção de matar.

A norte-americana Mia Landingham, de 136 kg, foi condenada nesta semana por ter matado seu namorado Mikal Middleston-Bey, de 54 kg, após sentar sobre ele durante uma briga.

Segundo a polícia dos EUA, o crime ocorreu em agosto passado.

Durante a briga, Mia sentou em cima de Mikal e acabou matando-o involuntariamente. O casal morava junto e tinha três filhos.

Mia recebeu uma sentença de três anos de liberdade condicional e 100 dias de serviço comunitário. Ela saiu da prisão imediatamente depois do julgamento, na quarta-feira (20).

Seu advogado argumentou que ela havia sido vítima de abuso doméstico durante um bom tempo. Ele pediu clemência à corte e lembrou que a acusada não tinha antecedentes criminais.

Ela disse que não teve intenção de cometer o crime. Mia disse que sentia por ter esmagado o pai de seus filhos.

“Eu só queria dizer que eu sinceramente sinto muito por esta situação”, disse à TV local. “Eu queria poder trazê-lo de volta.”

Uma irmã da vítima reclamou da sentença. “Você basicamente senta em cima de alguém e mata e fica em liberdade condicional? Isso é justiça?”, argumentou.

Homem morre após ver Avatar

Um homem de 42 anos natural de Taiwan morreu, vítima de um derrame provocado durante uma sessão em 3D do filme Avatar, de James Cameron.

Segundo o laudo, o derrame aconteceu porque a vítima, um homem identificado como Kuo, teria sentido diferentes tipos de emoções por conta das tecnologias utilizadas no filme. As luzes e efeitos em 3D teriam provocado uma convulsão imediata.

O paciente tinha histórico de pressão alta e chegou ao Hospital Geral de Nan Men inconsciente. Os exames constataram que ele sofreu uma hemorragia cerebral.

A morte, no entanto, só foi declarada onze dias após a internação. Os médicos acreditam que os efeitos do filme desencadearam a doença adormecida.

Esta é a primeira morte ligada ao filme Avatar. Desde que o longa estreou, alguns espectadores reclamaram de dores de cabeça, tonturas e náuseas. Parece fantástico, mas em 1997, uma exibição do desenho Pokémon – que utilizava luzes semelhantes – levou mais de 2500 pessoas ao hospital no Japão com sintomas de epilepsia.

Assista o trailer do filme abaixo:

Cinema

FROST/NIXON

Frost/Nixon é uma adaptação da peça teatral de Peter Morgan. O filme mostra a entrevista que o ex-presidente Richard Nixon concedeu ao apresentador britânico David Frost, em 1977, três anos depois de sua renúncia. Na última cerimônia de premiação do Oscar, obteve indicações em cinco categorias: Melhor ator (Frank Langella), Melhor filme, Melhor diretor, Melhor roteiro adaptado e Melhor edição.

David Frost (Michael Sheen), um popular apresentador britânico, acostumado a entrevistar personalidades do mundo pop, tenta reverter o quadro de sua reputação profissional convidando Richard Nixon (Frank Langella) para a sua primeira entrevista após a renúncia de 1974, ocorrida pelo caso Watergate, o escândalo político de operações ilegais com os quais esteve envolvido. O ex-presidente aceita sua proposta, depois de assinar um contrato que o faria filmar algumas horas de entrevistas divididas em quatro dias, visando esclarecer pontos obscuros do período em que esteve no governo e talvez uma possível volta à política.

Nixon acreditava que seria fácil dobrar Frost, mas o que ocorreu foi um grande duelo entre os dois ao longo de quatro noites, e resultou em um confronto assistido por milhões de pessoas que ouviram Nixon pela primeira vez após a renúncia declarando a decepção que causou à nação americana.

O que valoriza esse acontecimento histórico encenado nos cinemas, está na comparação entre os dois homens que começaram de baixo e se tornaram grandes personalidades, cada qual na sua proporção. O resultado só não pode ser melhor pela ausência de tensão em algumas cenas da entrevista. Talvez o melhor momento de Frost/Nixon, quando Nixon faz uma ligação noturna para Frost não se passa em uma sala em frente às câmeras.

Embora Frost/Nixon tenha sido indicado em cinco categorias para o Oscar, não levou nenhuma estatueta para casa. No entanto, o filme mostra uma grande direção de Ron Howard, com um roteiro inteligente e intrigante. Um ótimo filme, envolvendo Jornalismo/Comunicação e Política. As atuações de Michael Sheen e Frank Langella é o ponto alto do filme, principalmente Langella que conduz com maestria seu papel.

Confira o trailer abaixo:

Chuva causa destruição em São José do Rio Preto

Em 3h, São José do Rio Preto teve metade da chuva de janeiro de 2009

Após temporal, peixes ficaram presos em poças no meio da rua.
Duas pessoas morreram afogadas, entre elas um bombeiro.

Em apenas três horas de chuva, a cidade de São José do Rio Preto, a 438 quilômetros de São Paulo, foi atingida por mais da metade do volume de água registrado em todo o mês de janeiro de 2009. Foram 112 litros por metro quadrado. Em alguns locais, a água chegou a 1,5 metro de altura. Duas pessoas morreram afogadas – um motorista que ficou preso dentro do carro e um bombeiro que fazia o resgate de uma pessoa.

A chuva começou por volta das 3h30 e só diminuiu por volta das 6h. Três das principais avenidas da cidade foram interditadas. Um posto de abastecimento teve as suas bombas de combustíveis arrancadas pela força da água. 

Peixes do Rio Preto, que transbordou, foram parar no meio da rua, e ficaram presos em poças depois que a água baixou. Quatro pontes foram parcialmente destruídas pela força da água.

Na Avenida Bady Bassitt, a água invadiu um supermercado e causou prejuízos. Parte dos produtos nas prateleiras ficou boiando na água. A água também inundou parcialmente a Estação de Tratamento de Água do município.

Motos que estavam em uma concessionária foram arrastadas para a linha férrea. Em outra concessionária, de carros, mais de 40 veículos foram atingidos. Um posto de saúde também foi inundado, e medicamentos, prontuários e receitas médicas foram perdidos.

A enxurrada também invadiu a rodoviária, que estava funcionando parcialmente. Os ônibus saem do local por uma rua lateral. A Defesa Civil está fazendo um levantamento dos estragos na cidade. Não há registro de desabrigados.