Tags

, , ,

Aconteceu no último dia 11 na cidade de Jales o II SEMINÁRIO SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA.

O evento foi realizado na Câmara Municipal pela Comissão do Meio Ambiente da OAB/Jales e a Associação Independente de Proteção e Bem Estar Animal de Jales.

O seminário contou com a participação de vários profissionais da área da Medicina Veterinária, vindos de Andradina-SP, Campo Grande-MS e Brasília-DF. Durante toda a sexta-feira foram discutidos formas de prevenção, aspectos de contaminação da LVC e a polêmica sobre o extermínio de cães.

De acordo com o médico da Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de Jales , Adelson Mariano de Brito, a matança de cães é inútil para impedir a disseminação da leishmaniose.

Matar o animal não resolve o problema da LVC, uma vez que o cão infectado não oferece nenhum risco para  a convivência com o ser humano. A leishmaniose é uma doença vetorial, assim como a Dengue, e a presença do animal doente em casa apenas indica que há o vetor naquele lugar. Em suma, o controle de uma doença vetorial se faz o controle de vetor, e o que muitas pessoas deveriam se conscientizar é que há a necessidade de combater o transmissor da doença, conhecido vulgarmente como Mosquito Palha, assim como é feito com o vetor da Dengue.

É preciso melhorar nossa postura de proteção e amparo com nossos animais, os donos precisam ter uma posse responsável, isso é uma obrigação de cada um.

É  de extrema importância a participação da sociedade nesses eventos, tanto para aqueles que são tutores e  amam seus animais e aqueles que não possuem um cãozinho de estimação, mas para compreender um pouco mais sobre essa doença que atinge nossa região.

Deixo meu agradecimento à Vivi Vieri pelo convite do seminário e a oportunidade de aprender mais sobre a LVC.

Anúncios