Futuro de mídias sociais depende do comportamento de usuários, afirma analista

Mídia Social vem do termo traduzido em inglês  social media que é o uso de meios eletrônicos para interação entre pessoas e também empresas, é  um meio,uma ferramenta para se comunicar. No entanto, muitos ainda pensam que mídias sociais, às vezes confundindo-as com redes sociais, são apenas para diversão.
Há aproximadamente sete anos, uma nova profissão surgiu no Brasil impulsionado pelo fenômeno de audiência gerado pelos blogs, YouTube, Twitter, Facebook, entre outros. Trata-se do analista em mídias sociais. É um profissional capaz de analisar tendências e ficar em conexão com as principais discussões que são repercutidas ou criadas pelos internautas.
Karina Perussi, 26 anos, é graduada em Publicidade e Propaganda pela Unifev (Centro Universitário de Votuporanga) e já trabalhou na assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jales. Decidida a buscar algo a mais para sua vida profissional, foi para São Paulo trabalhar como redatora publicitária. Em poucos meses, recebeu uma proposta para exercer seu trabalho em uma agência digital como Analista de Mídias Sociais. “Mídia Social é um “local” onde compartilham experiências, ideias, desejos. Somos seres sociais, e essas ferramentas digitais estão potencializando essa tendência e alterando a maneira como nos comunicamos. É a comunicação de todos para todos” afirma Karina.
Um analista de mídia social cria campanhas publicitárias dirigidas exclusivamente para internet, ou melhor: nas redes sociais – relacionamento estabelecido entre indivíduos com interesses em comum em um mesmo ambiente. . Esse profissional pode atuar em agências de publicidade, empresas ou mesmo por conta própria prestando consultoria.
Hoje, Karina trabalha como planning na Wunderman, uma das principais agências de relacionamento e interatividade do país, que faz parte do Grupo Newcomm, no qual o publicitário, empresário e apresentador de TV, Roberto Justus é o fundador e CEO.
Em entrevista concedida à jornalista Bruna Ferreira, Karina esclarece as principais dúvidas sobre mídias sociais. 
 

Imagem
Karina faz parte da Wunderman, uma das principais agências de relacionamento e interatividade do país

Como você vê o futuro das mídias sociais?
Acho que o futuro das mídias sociais depende do comportamento de seus usuários. Sabemos que falando de mídias sociais, tudo fica obsoleto muito rápido, como foi o caso do site de relacionamento Orkut. Novas mídias vão surgindo e conquistando usuários – ou talvez não caiam no gosto do público, como é o caso do Google Plus. Não vejo o fim das redes sociais, acredito que elas podem aprimorar-se, tornar-se cada vez melhores – ou que surjam outras tão boas ou melhores que as que conhecemos hoje. As redes sociais mais conhecidas hoje, Facebook, Youtube e Twitter, são os principais canais de comunicação entre as marcas e seus clientes – sejam “brand lovers” (pessoas que amam as marcas, por exemplo: às vezes ela não tem recursos pra comprar determinado carro, mas é bastante ativa na fanpage), ou usuários que buscam a solução de seus problemas por meio delas, “SAC”.

Sobre as redes sociais, quais são as principais usadas hoje?
Bom, vamos falar das redes sociais mais conhecidas e utilizadas hoje no Brasil. O Facebook se mantém líder, em seguida temos o Youtube, e em terceiro o Orkut (sim, o velho e abandonado Orkut). O Ask.fm aparece em 4º lugar e o Twitter em 5º, Google+ não agradou mesmo! Mas, a cada ano aumenta a diversidade de redes sociais e as pessoas estão sempre atentas, acompanhando tudo e migrando de uma rede social para outra, como aconteceu com o Orkut e o Facebook.

Você acha que estamos preparados para as mídias sociais?
O Brasil é o 4º país do mundo com mais acesso às redes sociais. Os brasileiros têm mais amigos nas redes sociais do que em qualquer outro lugar do mundo. Poderia dizer que a internet hoje é a “praça” de ontem: as pessoas conversam, trocam ideias, compram, comparam, organizam manifestações, tudo online!Mas tratando-se do relacionamento entre as marcas e seus clientes, creio que ainda temos muito que aprender e melhorar.
Destaque as vantagens e desvantagens de uma empresa que adere às mídias sociais?
Desvantagens: será preciso tempo disponível para atualizações e dedicar-se muito a elas, para manter o interesse dos seguidores. Portanto, se sua empresa não tiver tempo para isso ou não houver interesse em contratar uma agência especializada, esqueça!
Cuidado com as mensagens certifique-se de que está passando a mensagem corretamente. Qualquer passo em falso pode detonar a imagem de uma marca, para sempre.
Qualquer coisa que você publique está aberta a comentários e críticas, então é preciso estar sempre preparado. Se você não tem uma estratégia de engajamento, tende a receber vários comentários negativos.
É preciso lembrar que o resultado vem em longo prazo, afinal, elas vêm do relacionamento, e não da noite para o dia.
Vantagens: você poderá manter diálogos e construir afinidades com seus clientes e torná-los fiéis à sua marca.
As mídias sociais podem espalhar suas ofertas e mensagens para milhares de pessoas, rapidamente. (o velho boca a boca que tanto ouvimos falar em marketing).
A personalidade da sua marca também se fortalece se você faz um bom trabalho. Pode realizar enquetes, ouvir seus clientes, gostos, preferências e desejos.
Por meio da mídia social você pode prestar atendimento ao cliente e de forma mais rápida (sem telefones ocupados!). Ele fica satisfeito.
E claro: a mídia social tem baixo custo, e você pode criar perfis e páginas gratuitas nas redes sociais.

Para uma empresa que está começando nas mídias sociais, que pontos você acha importante para que ela obtenha sucesso sem se tornar chata?
Uma palavra resume tudo: engaje! Uma empresa que consegue engajar seus clientes (e não ficar soltando spam) além de gerar conteúdo que interesse aos seus seguidores, tem grande chance de sucesso.

Como identificar que uma empresa precisa se conectar a Mídias Sociais?
Este ano chegamos a 2,4  bilhões de internautas no mundo! Acho que isso responde essa pergunta. As pessoas acessam as redes sociais do trabalho, de casa, do celular enquanto estão na fila do banco… Fila do banco? Que nada! Hoje elas resolvem quase tudo pela internet! Quem não estiver na nova praça, vai mesmo ficando para trás…

Anúncios

O bom, velho e atual Rock’n’Roll

Rock and Roll fez aniversário dia 13 e continua arrastando multidões de todas as gerações

Historiadores dizem que o marco zero do rock teria ocorrido em julho de 1954, quando um caminhoneiro chamado Elvis Presley entrou no Sun Studios, em Memphis, nos EUA, e gravou “That’s Allright Mamma”.

Vamos deixar uma coisa bem clara: Elvis não inventou o rock. Antes dele, pessoas como Chuck Berry e Bill Halley já tocavam o estilo. Desde o fim dos anos 40, “rock’n’roll” era usado em letras de música como sinônimo de “dançar” ou “fazer amor”.

Se não inventou o rock’n’roll, Elvis ao menos pode ser considerado o inrtemediador que apresentou o gênero musical ao mundo. Era o homem certo no momento apropriado: bonito, talentoso e carismático, e o mais importante , era branco e , por isso, aceitável para a América dos anos 50. “Eu agradeço a Deus por Elvis Presley”, disse o negro Little Richard, um dos grandes pioneiros do rock. “Ele abriu a porta para muito de nós”.

DIA MUNDIAL DO ROCK
No ano de 1985 aconteceu um grande evento chamado Live Aid, com shows simultâneos em Londres, Inglaterra e na Filadélfia, Estados Unidos. O intuito principal do evento, beneficente, era o fim da fome na Etiópia. Grandes artistas renomados marcaram presença, como Led Zeppelin, The Who, Dire Straits, Madonna, Queen, David Bowie, Mick Jagger, Sting, Scorpions, U2, Paul McCartney, Phil Collins (que tocou nos dois lugares), Eric Clapton e Black Sabbath.
O evento foi transmitido ao vivo pela emissora de TV BBC para diversos países e desde então, o dia 13 de julho passou a ser conhecido como Dia Mundial do Rock.
AS DIVERSAS FACES DO ROCK’N’ROLL
O início – Desde a década de 50 o Rock’n’Roll vem conquistando admiradores e mostrando suas diversas variações de gênero musical. Naquela época a mistura de country com blues. Little Richard, Jerry Lee Lewis, Bill Haley e Chuck Berry venceram as barreiras raciais e uniram a música negra e branca.
1950/60 – Elvis Presley encantou e influenciou o visual dos jovens do mundo durante os anos de 50 e 60. Já com os garotos de Liverpool aconteceu o mesmo, só que em uma escala bem maior. John, Paul, Ringo e George se voltaram à psicodelia e ao experimentalismo, mas foi a imagem dos quatro usando terninhos e cabelos tigela que levou o público ao delírio. O festival de Woodstock (agosto de 1969) marcou época quando Jimi Hendrix tocou o hino dos Estados Unidos com efeitos de guitarra que simulavam tiros de metralhadoras e bombardeio de aviões.
1970 – Com o som das guitarras em destaque, influência dos blues e potência sonora ampliada, bandas como Led Zeppelin e Black Sabbath deram origem ao estilo nos anos 60. Os britânicos Judas Priest e Iron Maiden aceleraram o gênero nos anos 70, começando uma nova onde de Heavy Metal. As características marcantes em comum desses grupos eram os cabelos compridos, roupas escuras e músicos com cara de “poucos amigos”.
Em meados da década de 70 surgiu o “Punk Rock”, que tem como características principais músicas simples (que geralmente não passam de três acordes), rápidas e ruidosas, com canções que abordam ideias políticas, anarquistas e revolucionárias. Ramones e Dead Kennedys, nos EUA, influenciados pelo Sex Pistols e The Clash, da Inglaterra, retratam bem o cenário punk .
1980– Nesta década o hard rock recebeu novas influências, com batidas mais fortes e sons de guitarras mais agressivos, o que trouxe ao público um dos gêneros musicais mais populares da década: o heavy metal, que, na sequência, também criou inúmeras vertentes ainda mais rápidas e pesadas,
como o thrash metal, speed metal e o black metal. Bandas como Iron Maiden e Judas Priest na versão clássica do heavy metal; e os grupos Metallica, Slayer, Megadeth e Anthrax, no thrash metal se consagraram.
Mantendo as raízes do hard rock, também merecem notoriedade as bandas Bon Jovi, Van Halen, AC/DC, Guns N’ Roses, Def Leppard, Whitesnake , The Cure , que tiveram um longo período de sucesso na década de 80, e algumas mantém até os dias de hoje.
1990 – O Grunge surgiu no final da década de 80 inspirado pelo hardcore punk e pelo heavy metal. As letras das bandas grunge geralmente caracterizam-se por doses de angústia e sarcasmo, abordando temos como apatia, alienação social, confinamento e desejo de liberdade. O visual grunge se destacou por sua aparência desleixada e as marcantes camisas de flanela que Kurt Cobain do Nirvana e Eddie Vedder do Pearl Jam usavam.
2000 – Eles gostam de hardcore – uma vertente bem acelerada do punk rock – mas também são muito sensíveis. As bandas de Emotional Hardcore (então o nome Emo) se espalharam pelo mundo ganhando milhares de fãs.
NO BRASIL
Claro que não podemos esquecer os nossos “roqueiros” made in Brasil. Eles fizeram história desde os 70’, quando o estilo musical desabrochou no país. Artistas como Rita Lee, Raul Seixas, os grupos Secos & Molhados e Mutantes, deram o ponta pé inicial.
Já na década de 80 surgiu uma das bandas que ficaria para sempre na memória de muitos brasileiros, o Legião Urbana, liderada pelo vocalista Renato Russo.
Cazuza e Barão Vermelho, Cássia Eller, Ira!, Paralamas do Sucesso, Plebe Rude, Titãs, entre outras é claro, têm canções que tocam nas rádios até hoje devido ao grande sucesso entre o público, principalmente os adolescentes. No rock mais pesado, bandas como Sepultura, reverenciada em todo o mundo, Ratos de Porão e Cólera, também escreveram sua história nas veias do rock nacional.
OS MAIORES ÁLBUNS DE ROCK DA HISTÓRIA
O Rock and Roll Hall of Fame and Museum (Salão da Fama e Museu do Rock and Roll) é um museu e instituição em Cleveland, Ohio, Estados Unidos, dedicado a divulgar a história de alguns artistas mais influentes no mundo da música, em especial o rock. O museu fez uma relação dos 200 álbuns definitivos do gênero, que cita os melhores discos já produzidos por artistas ou bandas de toda a história da música mundial.
Confira os 20 primeiros álbuns:

1º – Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band – The Beatles – junho de 1967
2º – Dark Side of the Moon – Pink Floy – março de 1973
3º – Thriller – Michael Jackson – novembro de 1982
4º – Led Zepellin IV – Led Zepellin – novembro de 1971
5º – The Joshua Tree – U2 – março de 1987
6º – Exile on Main Street – The Rolling Stones – maio de 1972
7º – Tapestry – Caroline King – janeiro de 1970
8º – Highway 61 Revisited – Bob Dylan – agosto de 1965
9 º – Pet Sounds – Beach Boys – maio de 1966
10º – Nevermind – Nirvana – setembro de 1991
11º – Ten – Pearl Jam – agosto de 1991
12º – Abbey Road – The Beatles – setembro de 1969
13º – Supernatural – Santana – junho de 1999
14º – Metallica – Metallica – agosto de 1991
15º – Born to Run – Bruce Springsteen – agosto de 1975
16º – Music from the Motion Picture “Purple Rain” – Price – junho de 1984
17º – Back in Black – AC/DC – julho de 1980
18º – Let It Bleed – The Rolling Stones – novembro de 1969
19º- The Doors – The Doors – janeiro de 1967
20º – American Beauty – Grateful Dead – novembro de 1970

Imagem
The Beatles, Elvis Presley , Queen, Iron Maiden, Legião Urbana, Rita Lee e Raul Seixas: grandes nomes do rock internacional e nacional

BAR DO ROCK EM JALES
Para os fãs de boa música, Jales conta com um bar rock’n’roll que mais lembra um autêntico pub inglês, se trata do TNT Music Beer.
O TNT, como é popularmente chamado pelos freqüentadores, existe há 11 anos, além de ser um bar, durante o dia é uma loja que vende artigos de música, como CD’s, DVD’s, camisetas, roupas em geral. Anteriormente o proprietário Carlinhos já havia aberto um pequeno espaço para os clientes tomarem alguma bebida e escutar um som, mas devido ao crescimento da própria loja o espaço foi desativado.
Há exatos dois anos, Carlinhos, juntamente com a esposa Maria Helena decidiram reativar o local para noite com uma infraestrutura melhor. Hoje o TNT conta com um grande público às sextas-feiras para o concorrido karaokê, de rock, claro! Aos sábados o bar traz atrações com bandas dos mais variados estilos, o que deixa muitas pessoas satisfeitas. Diversão garantida para quem gosta do velho e bom rock’n’roll, que fez mais um aniversário passando de meio século de existência.

Imagem
TNT Music Beer atrai centenas de pessoas aos finais de semana