Internet: a invasão dos imbecis com discurso de ódio

Ano 2017, domingo, 12 de novembro.

São 14:56h ainda não almocei, e mesmo com fome, muita fome rs, não pude deixar de comentar algo que há muito tempo vêm me incomodando. No entanto hoje lendo um pouco sobre Umberto Eco reencontrei a frase perfeita para fazer uma introdução à esse assunto: as manifestações de ódio na Internet, no qual falarei no próximo post (sem fome).

“As redes sociais dão o direito de falar a uma legião de idiotas que antes só falavam em um bar depois de uma taça de vinho, sem prejudicar a humanidade. Então, eram rapidamente silenciados, mas, agora, têm o mesmo direito de falar que um prêmio Nobel. É a invasão dos imbecis.”

– Umberto Eco, após uma cerimônia em que recebeu o título de doutor honoris causa em comunicação e cultura na Universidade de Turim, em 2015.

Em breve falaremos sobre.

 

 

Anúncios

Precisamos falar sobre Kelly

Hoje reativo meu blog falando da monstruosidade que fizeram com a jovem Kelly Cristina Cadamuro. Sim, monstruosidade, pois fica um pouco difícil chamarmos simplesmente de “crime”.

Confesso que estou bastante tocada com esse “crime”,  uma vez que me identifiquei muito com Kelly. Ela viajava com frequência de Guapiaçu, na região de São José do Rio Preto, onde morava, para Itapagipe, em Minas Gerais, onde reside o namorado, o engenheiro Marcos Antônio da Silva. Para dividir as despesas, a jovem compartilhava as viagens com pessoas do grupo formado por meio do WhatsApp.

13654412_1272008712843692_2464143543504675706_n
Reprodução/Facebook – Kelly tinha apenas 22 anos de idade

Eu, Bruna, também tenho um namorado que reside em outra cidade, 580km daqui. Não é fácil manter uma rotina “normal” de encontros, visto que os gastos com o transporte ficam bem onerosos. Nunca participei “ativamente” de grupos de caronas em redes sociais ou por aplicativos, mas reconheço que entrei em uma comunidade online para tentar carona, porém como não respondi nenhuma solicitação e mensagem dos membros, acabei sendo desligada do grupo. Que sorte!

De acordo com informações de familiares, Kelly  era dedicada ao trabalho e fazia economia porque planejava casar e ter filhos.

A TRAGÉDIA 

A jovem desapareceu na noite de 1 de novembro, uma quarta-feira,  após combinar pelo WhatsApp uma carona com um casal de Rio Preto, que na hora da partida, só apareceu o homem, em seguida identificado como Jonathan Pereira do Prado, de 33 anos. Ele cumpria pena por diversos crimes e foi favorecido com a saída temporária de Páscoa, mas nunca retornou à prisão.

O namorado de Kelly, através do aplicativo de mensagens, demonstrou preocupação a respeito do trajeto da moça com o carona  Veja na imagem abaixo.

1509665835146393

O corpo de Kelly foi localizado no dia 2 de novembro, com as mãos amarradas, seminu, com marcas de estrangulamento e com a cabeça imersa num córrego, entre as cidades de Itapagipe e Frutal, em MG. Câmeras de segurança de uma praça de pedágio mostraram Jonathan retornando sozinho com o veículo da jovem. O carro foi encontrado sem o aparelho de som e sem os quatro pneus próximo de Mirassol – SP.

É com a hipótese de latrocínio (roubo seguido de morte) que a  Polícia Civil de Frutal  trabalha. Exames iniciais não confirmaram violência sexual. De acordo com a confissão do criminoso, a jovem teria resistido e lutado, “obrigando-o” , sim obrigando-o a amarrá-la.

Exames comprovaram que a jovem foi agredida e estrangulada. O homem teria falado que pretendia apenas roubar e escolheu a vítima aleatoriamente, porém a polícia acredita que ele premeditou o crime.

20374617_1673413316036561_5390526044582174745_n

Kelly era somente uma garota de 22 anos, talvez assim como você, assim como eu. Trabalhava e estudava, assim como você, assim como eu. Tinha sonhos, queria constituir família, assim como você, assim como eu. Era apaixonada pelo namorado, que vive longe, talvez assim como você, assim como eu.

Qual foi o erro dela? Nenhum!

Vejo por aí muitas pessoas culpando a vítima, pois ela ofereceu carona. “Onde já se viu dar/pegar carona com estranhos? Ah, ela estava pedindo para morrer!”

Não gente, ela não estava pedindo para morrer. Kelly apenas não enxergou a maldade naquele ser. Não passou em seu pensamento que o pior poderia acontecer. Ela estava acostumada a compartilhar as idas e vindas desse trajeto, para ela seria somente mais uma viagem comum, como as outras.

Essa monstruosidade poderia ter acontecido com qualquer um, comigo ou com você. E não me venha se abster desse perigo, pois não só de caronas morrem Kellys por aí. É só realizar breves pesquisas na rede e descobrirá que numa noite qualquer uma jovem sofreu violência sexual após pegar um Uber e talvez outra tenha sido abusada ao voltar de táxi para casa.

A culpa não foi de Kelly, a culpa nunca é da vítima.

Especialmente nesse caso, a culpa é nossa, que vivemos em um país com leis e governantes que permitem que esses tipos atrocidades aconteçam e ainda assim continue tudo do mesmo jeitinho de antes. Contudo não entrarei nesses detalhes hoje, do contrário digitaria nesse espaço até amanhã.

Hoje precisamos somente falar sobre Kelly…